Nuss… E Agora?!?

9jul/101

Garshasp, The Monster Slayer

Inspirados em God of War e Prince of Persia, a empresa iraniana Fanafzar criam Garshasp, The Monster Slayer. O jogo baseia-se em um poema épico chamado Garshasp Naame. A Garshasp, um típico herói mítico, é creditada a morte de Aži Sruvara, um dragão do tamanho de uma colina, Gandarw, uma espécie de Leviatã maior que o mais profundo dos oceanos, e a futura derrota de Dah?g, quando ele se libertar de sua prisão para destruir o mundo.

"Tá Tiago. Mas até agora, nada diferente". Saiba então que Garshasp foi feito completamente com ferramentas gratuitas, que qualquer um poderia ter em casa. "A diferença?" Eles não desistiram ;)

Veja mais no Site Oficial.
via @CrociDB, na GuanabaraInfo
também postado no O Gamer

14mar/100

iPhone OS se consolida como nova plataforma móvel para jogos?

Saiu no FórumPCS uma matéria interessantíssima do Matheus Gibiluka sobre a evolução do iPhone OS como plataforma móvel de jogos, mostrando detalhes importantes dos problemas iniciais encontrados na plataforma, como a ausência de teclado e port de jogos já conhecidos, além de como as desenvolvedoras solucionaram isso.

É incrível ver que a massa de títulos é heterogênea ao ponto de termos jogos de iniciantes lado a lado com jogos já conceituados como Resident Evil 4, fato que raramente acontece em um console da última geração.

5fev/102

Jogos de celulares são mais populares no iPhone

Ou, pelo menos, é o que mostra o gráfico da rede Mplayit que analisa a popularidade dos jogos nas plataformas celulares. Levando em conta os dados do gráfico, jogos são 47% dos aplicativos populares do iPhone, 30% do BlackBerry e 20% do Android.

grafico-mplayit

Se isso não te faz muito sentido, o site MacMagazine diz que "jogos só compreendem 20% dos mais de 130 mil apps de iPhone na rede Mplayit", o que dá uma quantidade de mais de 26mil títulos!

Seria essa uma tendência da Apple de caminhar para o mundo dos jogos? Se eu tivesse que apostar, colocaria minhas fichas num grande "sim".

28jan/103

RPG como realmete deve ser – Star Wars Knights of the Old Republic II

Esqueça Final Fantasies, Breath of Fires e Chrono Triggers. Hoje falaremos sobre um jogo de 2004, a seqüência do aclamado Star Wars Knights of the Old Republic, The Sith Lords. O jogo se passa no futuro da série Star Wars, quando os Jedis foram quase que exterminados por completo. O único restante é o personagem do jogador. Assim como acontece com o jovem Anakin, história de KotOR II é permeada de idas e vindas, ações e reações. Agora vamos falar do que um RPG realmente deve ser.

25dez/094

Portal da Adobe de desenvolvimento de jogos em Actionscript 3.0

O portal é o Adobe Flash Platform Game Technology Center. Ele conta com artigos, tutoriais e códigos em Actionscript 3.0, tanto no Flash quanto no Flex, além de reunir links para outros portais voltados para o desenvolvimento de jogos em SWF, me lembrando muito o que o Gamasutra é para C/C++/OpenGL.

Ótimo passo da Adobe que tem por padrão publicar artigos de altíssimo nível. O portal promete derrubar os mitos por trás da programação em actionscript e trazer uma nova era para o desenvolvimento nas ferramentas, o que torna-o extremamente recomendado tanto para quem já tem experiência quanto para quem está perdido e não sabe por onde começar.

Valeu ao pessoal da Loodo pela dica no twitter

1out/090

Conheça as etapas de produção de um game moderno – G1

Já foi publicado há algum tempo, mas achei extremamente válido postar mesmo assim: saiu na G1 o artigo Conheça as etapas de produção de um game moderno mostrando as etapas do desenvolvimento de um jogo digital da atualidade. Ele conta com um infográfico" (imagem interativa educacional) que torna o aprendizado intuitivo e interessante.

Quem é leitor antigo lembra que postei, ainda no início do Nuss... E agora?!? uma série de artigos (parte 1, 2 e 3) entitulada "Um por todos e todos por um: as diversas profissões necessárias para fazer um jogo". Se gostou da série não pode deixar de conferir o da G1.

Agradecimetos ao Rafael Barboza pela indicação do link pelo twitter

7set/092

Disney compra a Marvel. E daí?

A Disney compra a Marvel por uma fortuna e piadas nascem por toda a parte. Estávamos rindo sobre essas piadas no trabalho. Até no MSN com o Ricardo e o Adauto. Entre "Cavaleiros do Apocalipse x Irmãos Metralha", "Prof. Pardal x Sr. Fantástico" e "Pato Donald x Wolverine". Porém essa notícia trás muito mais que olhos piadistas conseguem alcançar: vocês já pararam para pensar no impacto disso no mercado de videogames?

10jan/090

Quer aprender a fazer um jogo?

Então você deve tirar um tempo e ler esse artigo aqui no Pih is All. Ele fala exatamente sobre o assunto.

Alguém ae tem 10 anos sobrando para aprender a programar? ;)

1set/070

Um por todos e todos por um: as diversas profissões necessárias para fazer um jogo (parte 3)

Por fim, vou listar alguns poucos profissionais que estão voltados para a interação do jogo com o mundo ao seu redor.

  • Webdesigners

Salvo as trocentas interpretações que você acha hoje em dia, os Webdesigners são os responsáveis pela cara de um site. Eles definem, no caso do site de um jogo, a identidade a ser seguida, para que o site não fuja do tema dele. Criar animações, imagens, figuras e definir posicionamentos e formatações fazem parte do grupo de tarefas de um Webdesigner.

  • Webmasters

São as pessoas responsáveis pela gerência do site e pela programação atrás dele. São eles que fazem a manutenção de um site, incluindo alterações e botando pra funcionar aquilo tudo que os Webdesigners idealizaram.

Webmasters podem também fazer a interação de um site com servidores do jogo, exibindo características que tornem o site uma extensão ativa da experiência de jogar.

  • Publicitários

São os responsáveis pela publicação e divulgação do jogo, idealizando as propagandas nos mais diversos meios de comunicação, como TV e Internet.

Também são eles os responsáveis por estudar o mercado onde o jogo se encaixa, a concorrência, o público consumidor, fatores macro e microambientais e extrair desses estudos informações estratégicas para o sucesso das campanhas de marketing.

Bom gente, essa foi uma visão geral sobre algumas das diversas profissões que, juntas, fazem um jogo profissional de sucesso. Portanto, daqui pra frente, não quero ninguém pensando que “fazer um jogo” é simplesmente programá o bixinho, principalmente quando falamos em um jogo de nível profissional . Há muuuuuuuuuuito mais perdido nas entrelinhas que somente as milhares de linhas de código em que todos pensamos.

“Mas você está querendo me desanimar, é Tiago?” Depende: se você pensava em fazer um mega-sucesso mundial sozinho, sim, eu quero te desanimar =P. Agora, se você estava aí querendo saber como poderia fazer um jogo se você somente sabe desenhar ou compor músicas, fica aí o explícito incentivo: Corra atrás do teu sonho.

Especialize-se na área que você mais goste e busque aquilo que melhor você saiba fazer. Quando fizer isso (“Falando assim até parece fácil”), aplique à realidade do Desenvolvimento de Jogos que, daqui há alguns, nos esbarraremos em algum projeto.

[EDIT] Aí estão os links para as Partes 1 e 2 do artigo.